sábado, 20 de agosto de 2016

TAURAS DA RAÇA JERSEY (IX) - JOSÉ GUERRA MENDINA

1991 - Expointer
José Guerra Mendina nasceu em Sant'Ana do Livramento em 24 de maio de 1948. Filho de La Hire Osório Mendina, dentista e produtor rural, e de Graciana Pires Guerra Mendina que, a partir da morte prematura de seu esposo em 1966, também se dedicou à produção rural.

Aos catorze anos de idade participou do Curso Clássico no Colégio Marista Rosário em Porto Alegre, tendo-se graduado em Direito pela PUC-RS em 1972 com reconhecimento de mérito e láurea acadêmica. Advogado militante até sua morte, foi Pró-Reitor da Universidade da Região da Campanha – Campus de Livramento de 1992 a 2012. 

Casou-se em 1978 com Suzana Ribeiro Mendina com quem teve três filhos: Laura, Helena e José Pedro.

A vinculação com o campo e com a criação era inevitável e natural quando sua família, há quatro gerações por ambos os lados, já se dedicava à atividade rural. O gosto pela seleção animal da mesma forma lhe era inato, tendo desde criança acompanhado a Cabanha de Merino Rambouillet de seu pai, iniciada em 1957 com a importação da argentina do Carneiro Adonis 97 - que produziu vários grandes-campeões das Exposições do Menino Deus, em Porto Alegre, nos anos 60.
Na década de 70 iniciou a criação de Ovinos Corriedale, ao mesmo tempo em que selecionava Canários Belga e Cachorros Collie.


MENDINA, zootecnista por vocação, foi um dos importantes personagens que pela raça Jersey passou. Alem de ótimo criador, era um excelente melhorista, trabalho comprovado também em ovinos, em eqüinos, em cães e em pássaros.

1992 - Expointer, com a família e o veterinário Roberto Silveira
Mas foi na Jersey que ele mais se concentrou. Preparador emérito, soube orientar seus filhos Laura, Helena, e José Pedro, permanentes companheiros nas exposições mais importantes do Rio Grande do Sul. Diversas vezes conquistou grandes campeonatos e campeonatos de categoria, vencendo concursos leiteiros, e obtendo alguns títulos de MELHOR EXPOSITOR e de MELHOR CRIADOR, especialmente em Esteio.

2012 - julgando na Fenasul, Esteio
Membro do Colégio de Jurados da Raça Jersey, julgou diversas mostras especializadas, inclusive na Fenasul/Esteio e em Pelotas. 

2012 - palestrando na 1ª Reciclagem Oficial de Jurados

2012 - 1ª Reciclagem Oficial de Jurados, após palestra
Na 1ª RECICLAGEM OFICIAL DE JURADOS, realizada na Embrapa-CPACT/Capão do Leão no ano de 2012, palestrou sobre TERMINOLOGIA EM JULGAMENTOS DA RAÇA JERSEY, distribuindo aos participantes uma inédita e meticulosa “apostila” com os termos técnicos mais utilizados pelos juízes em português, inglês e 




espanhol. Sua narrativa precisa era, por solicitação dos jurados participantes, seguidamente interrompida por questionamentos inteligentemente satisfeitos.





Da ACGJRS fez parte em diversas gestões como Diretor Jurídico, atuando sàbiamente na área legal e técnica, sendo dele um importante parecer, ao Conselho Técnico sobre a discutida formação do COLÉGIO BRASILEIRO DE JURADOS DA RAÇA JERSEY, com mais de 30 laudas.
Mendina, antes de tudo, foi excelente parceiro, grande profissional, agropecuarista de ponta, associativista de grande valia para todo o setor de nossa economia primária.

1998 - Grande Campeonato na Expointer
A Cabanha São Luiz, por José Guerra Mendina fundada em 1988, fica em Santana do Livramento. Com 520 ha, dos quais 190 “de pedra pura”, seu rebanho é composto por 160 animais da raça Jersey produzindo, aproximadamente, 20 litros/vaca/dia. Após seu falecimento, a administração coube ao filho, José Pedro, médico veterinário, sendo  pretensão da família voltar a participar de exposições e leilões oficiais.

1996 - Grande Campeonato na Expointer
Em apenas 7 anos de seleção, Mendina foi o MELHOR CRIADOR e EXPOSITOR DO RS em 1995, ano no qual participou de diversas exposições importantes no estado, deixando muitos expositores tradicionais “para trás”. Seu sucesso é explicado por ter realizado um trabalho criterioso e investimentos corretos, com a preocupação de valorizar a Jersey, e a própria atividade, com um bom material genético devidamente escolhido.

1995 - apresentando na Expointer
As Jersey de afixo SÃO LUIZ são, até hoje, criadas de forma extensiva em pastagens nativas, compostas por capim forquilha, trevo comum e riograndense, e algumas outras leguminosas e gramíneas. A região é muito seca, e a suplementação com concentrados é servida por ocasião da ordenha. Com apoio técnico do veterinário Sérgio Falcão Padilha/ABS, Mendina conseguiu um baixo custo de produção, e alguma liquidez na magra remuneração do leite entregue ao laticínio. Se por um lado Mendina, advogado e professor universitário, associava os bons resultados a uma condução quase científica do trabalho, por outro ele reconhecia que sem a rusticidade e a produtividade da Jersey a atividade estaria inviabilizada na propriedade.

1992 - Expointer, julgamento de Frank Stenger
No passado, a Cabanha São Luiz foi uma tradicional selecionadora de ovinos mas, com o tempo, Mendina cansou e caiu no desestímulo. Data da mesma época os primeiros encantos com a raça Jersey, mas a paixão, mesmo, veio em 1988, quando comprou duas fêmeas. A partir daí começou a informar-se sobre tudo o que envolvia a raça, assinando os periódicos nacionais e os internacionais sobre ela. Ocorreu, ainda, uma grande identidade com a seriedade técnica que a atividade leiteira exigia dos seus produtores.

1995 - a filha Laura apresentando
Mendina decidiu, então, investir, e saiu atrás da genética remanescente de um criatório que fora muito forte no Rio Grande do Sul, o da Embrapa - Fazenda Cinco Cruzes/Bagé, já extinguido, com afixo FCB antes IRSUL, cujos animais eram disputados pelos melhores criadores dos estados do RS, SC, RJ e SP, inclusive com descendência de Generator, Surville, Trademark, e alguns outros touros destacados internacionalmente. A base do trabalho na SÃO LUIZ foi concluída com a aquisição de alguns animais de José Ronald Bertagnolli, gaúcho criador de Jersey reconhecido, nacionalmente, como o melhor criador e expositor da raça.
Selecionadas as “matrizes fundadoras”, Mendina iniciou uma série de acasalamentos acertados, sempre utilizando sêmen dos cinco melhores touros ranqueados nos EUA e Canadá disponíveis no mercado e aconselhados, inicialmente, por seu amigo Padilha/ABS, cuja competência na época era incontestável. O resultado veio logo e, em 1993, já começava a despontar nas exposições de que participava.


Como a remuneração do leite é pequena, a manutenção dos seus investimentos em genética provinham da comercialização de animais, os bons negócios se justificando pelo bom desempenho produtivo das Jersey de afixo SÃO LUIZ, e pela posição de mérito ocupada no ranking gaúcho de criadores de Jersey. Se dependesse só do leite estaria no vermelho, dizia Mendina.


Mendina com os filhos Laura e José Pedro
José Guerra Mendina, falecido precocemente a 18 de julho de 2015, será prestada uma merecida homenagem no dia 31 de agosto de 2016, na Casa do JerseyRS em Esteio, após a decisão do Grande Campeonato Fêmea, na abertura do Leilão da Raça Jersey na Expointer.


O conteúdo desta postagem provem de entrevista com Mendina em 2014, de dados e texto fornecidos pelos filhos, Laura e José Pedro, em agosto de 2016, alem de observações e fotos do autor deste blog.

Nenhum comentário:

Postar um comentário